Publicado por: yumejin | quarta-feira, 15 outubro 2008

De Eduardo Paes

Tendo falado de Fernando Gabeira, acho que seria interessante detalhar minha visão sobre seu oponente no 2º Turno das Eleições para prefeito do Rio de Janeiro: Eduardo Paes.

Com apenas 38 anos, Eduardo Paes tem seu reduto eleitoral em Jacarepaguá e na Barra da Tijuca, de onde foi subprefeito há anos, em meados de 1996. Repetidas incansavelmente são as imagens dele, de mangas arregaçadas e no meio da lama depois de uma enchente que acometeu a região e onde sua atuação foi muito elogiada. Ao contrário da maioria dos governantes brasileiros, que se enfiam numa toca quando há uma crise ou situação difícil, para que não lhe associem o nome, Eduardo Paes revelou-se ativo e interessado no reestabelecimento da ordem depois de uma calamidade natural.

Se o homem é assim, por quê eu haveria de votar no Gabeira, de idéias tão controversas? Ou ainda, por quê a pesquisa Datafolha de 09/10 apontou ligeira vantagem, 43% a 41%, para o chamado “candidato verde”? A resposta talvez seja muito simples: Eduardo Paes não representa nada.

Sua ideologia, pessoal ou política, é desconhecida e ele não faz questão alguma de demonstrar ou explicá-la. Seu maior aliado, Sérgio Cabral Filho, governador do estado, lhe faz tamanha sombra que é como se Eduardo Paes fosse um apêndice, uma versão menor e mais nova, mas não melhor.

Essa indefinição de postura, essa nulidade, essa falta de cor incomoda, e bastante. Como confiar em alguém que você não sabe qual direção vai tomar? Ele é a favor de uma repressão maior ao tráfico? É contra o BOPE ou a repressão aos usuários de drogas? Quer limitar o crescimento das favelas, quer reformá-las? Vai trabalhar em conjunto com o governo estadual para limpar a Baía da Guanabara, vai deixar esse assunto de lado?

Não sei e acho que muito pouca gente sabe. Eduardo Paes clama ser o “candidato da união”, um slogan muito em voga nessas eleições em que quase todos os candidatos correm para lamber os sapatos do presidente e se mostrarem aliados, tentando ganhar uns votos baseados na assombrosa popularidade de 80% [soem as trombetas, por favor]. Diz que, se for prefeito, será a primeira vez em que os governos municipal, estadual e federal estarão unidos, em bons termos.

Tem que ter força de vontade pra acreditar nesse argumento. Eduardo Paes, em 2005, foi um dos deputados mais ativos na CPI dos Correios, fazendo duras críticas aos desgovernos de Lula. De repente, as relações entre eles ficaram magicamente restauradas e em bons lençóis? Ou alguma coisa aconteceu, coisa essa não-revelada, ou alguém tá mentindo aí…

Tocando nesse assunto, outra coisa conta-lhe contra – sua troca constante de partidos. Paes já foi PV, PFL [atual DEM], PTB, PFL de volta, PSDB e PMDB. Acusado de ir para onde lher conveniente no cenário político, o candidato se saiu com essa: fidelidade partidária não “é algo adequado no momento”. Então, tá…

Ainda assim, ele se manteve em primeiro lugar durante um mês de pesquisas do 1º turno e terminou com vantagem de aproximadamente 7% em relação a Gabeira. Agora, enquanto as alianças partidárias não estão definidas, Paes diz que quer formar um governo de alianças, com maioria na Câmara [dos Vereadores]. Em outras palavras, distribuirá cargos entre a base aliada se for prefeito.

A única coisa que lhe garantiria meu voto, se eu votasse no Rio, seria o fato de que, com ele, o Rio não vai ficar pior. Pode não melhor, mas pior não fica. Felizmente, nestas eleições, há um candidato que simboliza uma mudança, não aquela messiânica prometida pelo PT e por Lula em 2002, na qual não acreditei e acho que fiz bem em não crer. Uma mudança real, paulatina, de trabalho e de honestidade, sem vender a alma, o corpo e a mente para conseguir se eleger. E esse não é Paes, que representa a velha forma de fazer política, mas Gabeira, que é uma pessoa que abraça o moderno sem vender as coisas em que confia e acredita.

===

Surgiu um motivo decididamente contra Eduardo Paes. Em seu site de campanha, ele insiste em pintar Fernando Gabeira como candidato de César Maia, dizendo que seu apoio está sendo ocultado dos eleitores, mas que é decisivo.

Contudo, qualquer um que tenha o mínimo de conhecimento das propostas do Gabeira até aqui sabe que o candidato verde não está escondendo coisa alguma. Ele aceitou o apoio espontâneo de César Maia, simplesmente isso. Não foi atrás dos eleitores do atual prefeito em troca de cargos ou influência, por exemplo, como Paes fez com o PT [Alessandro Molon], o PCdoB [Jandira Feghali] e, por fim, com o PRB [Marcelo Crivella]. Isso claramente é distorção das informações e é repetido a cada entrevista.

Além disso, no debate na TV Bandeirantes, Paes preferiu fazer ataques à pessoa, não ao plano de governo, o que tampouco contribui para minha visão. Se antes eu estava neutro, com um pouco de tendência negativa, agora acredito que Eduardo Paes seja uma má escolha.

Edição: Diante do comentário oportuno do Leonardo Muller, abaixo, acho que é interessante ler o texto que ele preparou sobre as vantagens de Gabeira em relação a Paes. Ele está entremeado de links para fontes mais imparciais [ou quase todas… tem um do PSTU, mas a maioria é Folha, Globo, blogs conhecidos] e deixa muito clara a diferença entre os dois candidatos.

Aliás, o preço das alianças que Paes está fazendo nesse 2º turno parece ser temeroso.

Anúncios

Responses

  1. é uma pena mesmo que nós tenhamos quer votar no “talvez menos pior” lá na nossa cidade natal, podendo mudar alguma coisa por aqui.

  2. Gostei do seu post. Bons argumentos. Pena que vc nao vota aqui no Rio…
    Concordo com a maioria dos seus pontos, mas acho que Paes tem mais defeitos que vc escreveu:
    http://blog-muller.blogspot.com/2008/10/gabeira-43.html
    Espero que goste do post, deixei o link pois acho que tem muito a ver com seu post.

  3. “quase todos os candidatos correm para lamber os sapatos do presidente e se mostrarem aliados, tentando ganhar uns votos baseados na assombrosa popularidade de 80% [soem as trombetas, por favor]”

    Oitenta porcento de quem? Não ficou claro =D

    QUE SOOOOOOOOOOOEM AS TROMBETASSSS!!!

    ;)

  4. teremos um encontro, que debaterá a demolição de casa dos trabalhadores e moradores da região da gleba finch, acontecerá nesta terça-feira (01/12), às 10h30, na Praça Quinze de Novembro – Centro Rio de Janeiro – RJ, 20010-010 – (0xx)21 2588-1000 Auditório Nelson, neste mesmo encontro uniremos forças para solicitar o impeachment do então prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes, que nada está fazendo por nosso querido estado a não ser assustar a população com sua sandice…

    att,Simone


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: