Publicado por: yumejin | sábado, 14 fevereiro 2009

O inimigo do meu inimigo…

Na verdade, o post que ia hoje era outro, muito mais legal e interessante, que dava uma volta imentsa pra chegar a uma conclusão sem falha alguma… mas eu não sei ao certo se sonhei que tinha um post assim ou se realmente o tive. O fato é que esqueci sobre o quê ele era, então, só na biblioteca do Sonhar agora.

Dentre as, sem exagero, dezenas centenas milhares muitas coisas que me irritam nesse mundo, está uma prática que eu não compreendo se é um artifício de debate, propositalmente falaciosa, ou uma limitação de pensamento. Seja um ou seja outro, está tão imbuído na cultura brasileira que é difícil lutar contra, sendo uma forma de tomada automática de posição. Assim como existem pares de elétrons que, quando um toma spin + 1/2, o outro automaticamente fica com spin – 1/2, assim que você diz que é contra algo, é deduzido que você é a favor do atual/mais famoso inimigo dessa coisa. Ou “o inimigo do meu inimigo é meu amigo”.

Um maniqueísmo tão estúpido que eu fico genuinamente impressionado de ver que certas pessoas realmente acham que é assim mesmo. O exemplo mais imediato é, claro, política.

Se eu digo, hoje, que acho o presidente Lula um mau presidente, fazendo parte de supostos 5 % da população brasileira [ou eu vivo em uma cidade mágica ou essa conta tá fechando muito estranho], a primeira coisa que me dizem é: “Então você apoia os Democratas da ditadura.” ou “Você prefere as privatizações como a da Vale do PSDB e do Doutor Fernando Henrique Cardoso?”.

Como eu observei antes, existe uma ligação visível entre uma afirmação [“Eu não gosto do presidente Lula e de seu governo.”] e outra [“Eu gostava do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e de seu governo.” ou “Eu gosto dos opositores do governo Lula.”], mas ela não necessariamente existe. Eu posso não gostar tanto de um quanto de outro.

Se eu digo que não gosto de ler Carta Capital porque tem um viés muito incômodo, invariavelmente argumentam que eu sou mais um leitor de Veja da classe rica. Quem disse que eu sou leitor de Veja, meu Deus? Eu só disse que não gosto da Carta Capital. Não é uma associação automática!

Numa escala menor, já vi vários casos de pessoas se declararem sem religião e serem rotuladas como atéias. Novamente, 1 não implica 2. Ou então de amantes de gatos, como eu, serem perguntados por quê não gostam de cachorros. Não existe interdependência entre os fatos.

Esse é um lado da moeda. Existe outro que usa a mesma expressão como ponto de partida, mas critica uma atitude oposta, que segue lado a lado a esse engano falacioso. É aquela história de que “se eu não gosto de A e B não gosta de A, então vou aliar-me com B, defendendo-o de quaisquer ataques para que ele também me defenda e possamos assim, juntos, destruir A”.

O problema disso, óbvio, é que isso cria uma corrente de elos desiguais. Tenha certeza de que dificilmente seus objetivos gerais serão os mesmo que o desse inimigo do seu inimigo. E tem probabilidade maior de eu pilotar um helicóptero de improviso de vocês dois terem as mesmas metas pessoais. Resultado? Por interesses puramente políticos [não é só político que faz política], você se alia com alguém que bem pode ser pior do que o próprio A.

Existe uma situação em que isso faz sentido? Sim, na guerra ou, sendo mais genérico, em uma disputa – simplesmente porque a guerra em si não faz sentido e tem suas próprias regras de lógica. Vide a discussão da reação proporcional ou desproporcional, como aqui.

No final das contas, pode ser que vocês se dêem bem e tenham realmente ideais alinhados. Mas é um risco de acabar morrendo em um abraço de urso para o qual você mesmo se atirou por pura imprudência.

Anúncios

Responses

  1. um exemplo do meu dia-a-dia [pior ainda por que, além de não se excluírem, andam juntas] é:

    eu- eu estudo artes.
    outra pessoa – ai, eu também odeio física.

    e, sim, isso é mais comum do que você pensa.

  2. O problema é que você deu exemplos que, aparentemente segundo a sua argumentação, os lados estão quase nada ou pouquíssimo relacionados, o que não é o caso. Você está lidando com dualidades extremas, dois lados da mesma moeda, onde a ilusão da presença de um terceiro excluído é tão forte que chega mesmo a parecer necessária. Digamos então que seja QUASE necessária.

    É natural as pessoas, ou assim parece que precise ser, que diante de um dilema qualquer NECESSARIAMENTE devemos tomar uma posição, não importando se isso é necessário ou não, se há terceiro excluído ou não. Assim, como quando falamos da querela besta de “FHC X LULA” temos que por serem os dois melhores e únicos exemplos de “governos democraticamente eleitos que não foram depostos por impeachment nem sejam oriundos deste” de nossa recente democracia, é inevitável que essa ilusão de terceiro excluído acabe acontecendo, ainda mais pelos referidos governos adotarem posições um tanto quanto diametralmente opostas entre si (ainda que por muitas vezes essa distância seja ilusória) Então não me irrito com isso, simplesmente deixo passar pois vejo que é fruto não de má-fé mas sim de simples ignorância e ilusão, portanto inocente.

    Quanto a não ter religião o problema é maior e acredito que venha da confusão que se faça da palavra “Religião” com aquilo que chamo de “Agremiação religiosa”. Se determinado indivíduo acredita em uma forma de Deus, essa pessoa tem uma religião, pois se liga ao sagrado de alguma maneira, mesmo que pessoal exclusiva. Daí a diferença de TER religião e PERTENCER a uma Religião. Obviamente ai, feita essa distinção que lembro que é PESSOAL – simplesmente me ajuda a enxergar a questão melhor, adote-a se quiser – uma pessoa sem religião é atéia enquanto uma pessoa que não pertence a nenhuma pode tranquilamente ser deísta (é nois \o)

    E Moon eu sei como é isso… =/

    TCZ – Eu faço Filosofia
    PessoaRandom – Ah é, eu também odeio Matemática/Física/Números/Raciocínio complexo típico de Grandes Primatas

    Legal que isso também acontece da seguinte forma

    TCZ – Eu faço Filosofia
    PessoaRandomDEEXATAS – [sorrisinho superiorlóide] ah é… legal… [mentalmente] uhuhuhuhu os mistériosdamatemáticaquemefazemsuperioravocês são tão divertidos [/mentalmente]

    Mas isso foge do assunto e é tema pra outro dia


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: