Publicado por: - TCZ - | domingo, 15 março 2009

Coraline – Crítica

Bem, eu sei que de certa maneira tá meio tarde pra isso… mas sei lá, eu só fui ler o livro depois e só arrumei tempo agora também. Mas eu vi que do momento em que assisti ao trailer com a minha namorada até o que li que tinha estreado aqui perto de casa eu soube que TINHA que assistir aquele filme! Principalmente porque foi escrito por um dos (talvez) dois melhores escritores desse mundo, Neil Gaiman! E depois que terminei de ver Coraline e o Mundo Secreto eu sabia que tinha algo a dizer sobre!

Até que eu vi essa entrevista no Judão e, depois de amaldiçoar de inveja o Fábio Barreto pela inveja que me fez sentir nas minhas TRIPAS por ter tido a oportunidade de conhecer o cara, vi que o próprio Neil Gaiman tinha as mesmas impressões que eu tive sobre o filme. O que me deixa muito feliz, primeiro por eu ter captado corretamente o que o cara quis, depois porque essa concordância demonstra que o filme foi a melhor adaptação de Gaiman nas telonas até agora (e uma preparação para o TÃO aguardado por mim Deuses Americanos)

Então, uma vez que eu concordei, mesmo sem saber, tanto com o Mr. Gaiman, nada melhor que ele mesmo fazer a crítica do filme, com a singela ajuda dos meus comentários…

“Terminei o primeiro tratamento e, mesmo faltando algumas páginas, pedi ao meu agente que enviasse a cópia para Henry Selick. Adorei O Estranho Mundo do Jack, sou um dos três seres humanos no mundo que notou que, embora o nome de Tim Burton esteja no título (Tim Burton’s Nightmare Before Christmas), o filme tenha sido dirigido por ele e não pelo Burton (risos) e pelo fato de ter levado meus filhos para assistir James e o Pêssego Gigante. Pensei: ‘há algo interessante sobre esse cara’.”

Realmente, quando eu vi o trailer e teréréu lembrei na hora do Jack Skallington. Os temas do cenário e, no início do filme, as mãos da Outra Mãe são TOTALMENTE Nightmare Before Christmas, mas eu não sou uma dessas três pessoas, ignorava totalmente quem era o diretor e depois de ver Coraline que eu percebi que naquele outro filme lá, muito do que eu via era o Tim Burton falando. As parte pretas e sombrias, o humor negro e ácido, o Johnny Depp escondido no Jack… tudo isso era Tim Burton. Mas eu achava que o clima Bogus, mágico do negócio TAMBÉM era Tim Burton, quando na verdade era Henry Selick! Claro que o Burton faz magia sim, e muita (Batman e Edward Scissorhands ainda me influenciam bastante), mas aquela especial do Mundo de Jack só o Selick consegue, o cuidado que ele dá ao stop motion é excepcional (

Pensei: ‘há algo interessante sobre esse cara’.

E o que é esse ‘algo interessante’?

Especialmente no tocante à animação stop-motion

– Olha ai, não disse?) e bem que eu sempre achei que o James era muuuuuuuito parecido com o Estranho Mundo de Jack…

O que me fascinou em Coraline, como livro, foi notar adultos encarando como horror – acham absolutamente assustador – e crianças vivendo uma grande aventura, como se estivessem lendo dois livros totalmente diferentes. Muito adulto se assusta por conta de memórias reprimidas da infância, mas a garotada não tem nada reprimido ainda, então eles encaram de uma nova forma. Além disso, como adulto, você encara Coraline como a história de uma “criança em perigo” e esse é um dos gêneros literários mais assustadores possível, especialmente se você for um pai. Mas para crianças, é algo do tipo James Bond. Eles se identificam com Coraline e sabem que, no fim das contas, ela vai se dar bem. Adultos já ficam com o pé atrás, pois me conhecem e ficam na dúvida se algo terrível vai, ou não, acontecer. Não há dúvidas para as crianças e elas gostam de enfrentar algo grande e assustador. Parando para pensar, vencer algo trivial é coisa do Disney Channel e não leva a lugar nenhum.

EXATO! Como o Neil disse, eu fiquei esperando o filme INTEIRO aparecer qualquer coisa de Sandman ou do Deuses. Sabe, é como ver um filme do Shyamalan sem esperar um GRANDE Plot Twist no final, seria uma grande prova de desconhecimento TOTAL do autor, coisa que não é o meu caso definitivamente. Neil Gaiman é um daqueles caras que, apesar de não fazer mais que a sua obrigação fazendo isso, deixa sua assinatura em tudo o que mexe (o fã de verdade mesmo sem saber que foi ele que adaptou a lenda européia para o roteiro de Beowulf provavelmente ou não estranharia caso lhe dissessem ou acharia tudo “um tanto neilgaimesco)
Apesar disso, apesar de TER SIM a assinatura do Neil Gaiman (como todo o tema de “Viagem a outro mundo em busca do auto conhecimento” – muito embora ele negue

Quando você notou essa possibilidade sempre explorar novos mundos e jornadas de auto-descobrimento presentes em seus livros?

Não tenho a menor idéia. Essa é provavelmente uma daquelas coisas que acontecem quando você imagina estar fazendo algo totalmente diferente e empolgante a cada novo livro, mas quando se colocam todos os livros em ordem cai a ficha ‘olha fiz tudo relacionado, veja só’. E eles se parecem. Definitivamente, existe esse tema na minha obra ficcional que possibilita ao personagem atravessar um portal e chegar a outro lugar que, embora semelhante ao nosso, seja totalmente diferente.

fora referências ao Sonhar do Sandman no mundo da Bela Dama, o gato

pois Alice no País das Maravilhas foi um livro que li, reli e reli tantas vezes que ele, provavelmente, foi gravado no meu DNA antes de me tornar escritor.

dentre outras coisas) não é nem um pouquinho neilgaimesco! Pelo menos não no que eu esperava, que era o que o Neil disse, um conto infantil ASSUSTADOR. No fim, ele me fez recordar da minha infância, em que tudo não passava na verdade de uma grande aventura de exploração, e que o medo que eu sentia quando eu assistia um filme ou lia um livro era totalmente entretenimento, porque eu SABIA que tudo ia acabar bem. E realmente, coisas que sempre ganham são um saco! Por isso que eu sempre torcia pro monstro do Power Rangers…

No fim, depois de ficar maravilhado com o filme, eu decidi ler o livro apenas para descobrir que é excelente!

A coisa mais esquisita sobre Coraline é que ele foi publicado há sete anos. E sete anos é tempo demais para parâmetros infantis. Muita gente que leu por volta dos 11 anos de idade vem falar comigo agora e as experiências são fantásticas. Coraline foi realmente um livro seminal para algumas gerações.

É uma história infantil que REALMENTE é infantil, não uma simples projeção de um adulto sobre o que uma criança gostaria de ler. Parece como uma história contada por uma criança, com todas as inflexões narrativas que são próprias a elas quando começam a brincar de imaginação. Vocês assim como eu devem se lembrar, nem que seja um pouquinho de como era isso (e se vocês jogam RPG lembram e vivem isso ainda hoje) Então quando a pequena Coraline sai para explorar a casa nova, é como uma criança que sai por ai, seja na casa nova ou seja no primeiro dia na escola (ou seja dando a primeira volta em torno do seu novo quarteirão) ela nos faz lembrar de quando isso era importante para nós, quando além do medo tinha também esse ímpeto aventureiro que deixava tudo tão mais divertido e tão mais emocionante. Quando você assiste ou lê Coraline você vê esse tema muito bem desenvolvido, que diante do novo devemos explorá-lo, explorar e conhecer as possibilidades e quando nos depararmos com algo diferente, desconhecido e por muitas vezes sombrio devemos ser corajosos e enfrentar o perigo seguros de que tudo dará certo e que no fim sobrará apenas a lembrança duma grande aventura. Coraline é sobre isso, de como ser criança é maravilhosamente superior e melhor do que ser adulto sob certos pontos de vista e de como esquecemos disso.

Por isso, quando você tomar um baita susto com a Bela Dama e as crianças perto de você apenas arregalam os olhos interessadas e exitadas, ao invés de culpar a criança, é melhor checar se não tem algo errado com VOCÊ.

E se você não conseguir descobrir o que é, talvez olhar através duma pedra com um furo no meio ajude =D

Anúncios

Responses

  1. Realmente parece tá muito bom o filme! O livro eu já queria ler a algum tempo, mas sabe como é grana curta neh =P
    Mas me criou um problema essa crítica, agora eu PRECISO ler o livro =P

    Neil Gaiman Rocks!

    \m/


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: