Publicado por: yumejin | terça-feira, 22 junho 2010

Especial

Estava conversando com uma recém-conhecida e ela me contava sobre como gosta de plantar e cuidar de suas plantinhas – o toque de ironia sendo que ela é vegetariana, então fiquei pensando que era como se eu adorasse cuidar de peixes, galinhas, boizinhos…

Essa recém-conhecida me contou também a história dela de amor – uma daquelas em que as pessoas se conhecem, depois se separam por um longo período, depois, ao se reencontrarem, não podem ficar juntos, ficam mais um tempo sem alinhar os caminhos e, por um acaso do destino, num evento completamente não-relacionado, esbarram-se e amam-se.

E pensando na dela, lembrei de uma minha que só agora me veio à lembrança…

Quando eu tinha uns 14 ou 15 anos, minha família se mudou do apartamento no Centro da cidade para uma casa em um bairro próximo. Eu nunca tinha morado numa casa e logo aprendi que ficar deitado no jardim era uma das melhores coisas que havia pra se fazer. A casa tinha umas seis árvores – três laranjeiras, um limoeiro, um loureiro e uma figueira.

Um dia, tive a ideia de plantar uma pimenta porque queria ver como era a árvore que dava pimentas. Escolhi um canto onde a nossa cachorra – irremediavelmente alegre e, em igual medida, irremediavelmente destruidora de coisas ao seu alcance – não costumasse passar. Assim, plantei a pimenta com todo o cuidado perto de uma piscina daquelas que é só uma bacia supercrescida. Achei que ali não batia tanto sol e a sombra do muro e da piscina protegeriam minha futura pimenteira de secar.

Eu visitava o cantinho onde tinha plantado minha pimenta quase todo dia, regava, ficava olhando… até que um dia, a pimenteira começou a crescer. Como eu disse, eu não sabia como raios era uma pimenteira, então fiquei fascinado. Era uma arvorezinha de uns 40 cm de altura, com tronco e galhos proporcionais ao tamanho, mas muito firmes. As folhas eram verde-escuro, bonitas…

É engraçado que ela já se foi há tantos anos, mas eu ainda gosto dela… acho que eu amei aquela planta de verdade.

Anúncios

Responses

  1. Muito bom post…..
    Acho q tb ja tive uma experiência dessas…… nada como a simplicidade do homem e a natureza….
    Abc
    MN

  2. É né…as mais simples e mínimas coisas são as mais importantes e são também aquelas q ninguém da importancia…amei esse post!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: